Integração

 

ILPF, POR QUE FLORESTA?

Fernando Penteado Cardoso*

Estão na moda os palavreados ambiciosos lavoura-pecuária-floresta (ILPF) ou agrossilvipastoril. O que significam ou o que podem significar?

Tudo começou alguns anos atrás com a expressão integração lavoura-pecuária (ILP), que foi definida como a sucessão alternada de atividades agrícolas e pecuárias na mesma área.

Importante ser na mesma área, pois se uma fazenda dedica-se a lavouras e a criações em áreas separadas, ela tem essas atividades paralelas, mas não integradas.

A integração acontece quando as duas atividades - agrícola e pecuária - alternam-se, sucedem-se, interagem entre si, integram-se e completam-se em uma mesma área.

Um exemplo de ILP bem sucedido é o do produtor Ake van der Vinne, em Maracaju/MS, onde no verão a sucessão anual é soja>soja>milho>pasto e no inverno pasto>pasto>pasto>pasto. Nesse sistema, a cada quatro anos um hectare em rotação produz em média 120 sc de soja (2 safras), 100 sc de milho e 1.000 kg de ganho de peso vivo (GPV).

Segundo Fernando Penteado, a forragem à sombra é menos palatável nas águas, o capim é mais tenro e bem aceito na seca e a faixa lindeira aos bosques é prejudicada pela forte competição

Outra aferição bem sucedida foi relatada pela Granja JAE, Sto. Inácio/ PR, onde foi comprovada a produção anual de 2.000 litros de leite ou de 300 kg de GPV por hectare durante o inverno, no intervalo entre culturas de soja de verão.

Nesses dois exemplos, o sistema assegura ainda um volume satisfatório de fitomassa para o plantio direto subsequente. Nos dois casos, pecuária e lavoura alternam-se na mesma área.

De uns anos ...

Para ler a matéria completa faça Login
Caso não seja assinante da Revista AG, clique Aqui e Assine Agora!