Matéria de Capa

 

LUCRO no tempo certo

IATF alcança a marca de aproximadamente 10,5 milhões de procedimentos em 2015

Jéssica Cristina Lemos Motta, Marcos Henrique Alcantara Colli, Pietro Sampaio Baruselli e Roberta Machado Ferreira Saran*

De maneira resumida, a eficiência reprodutiva pode ser definida como a habilidade de a vaca tornar-se gestante o mais rápido possível após o parto, com o menor número de coberturas possível, respeitando o período de involução uterina. Assim, para obtenção do intervalo entre partos (IEP) próximo a 12 meses, produzindo um bezerro/vaca/ ano, a matriz deve conceber até 75 (zebuínas/ gestação de 290 dias) e 85 (taurinas/ gestação de 280 dias) dias após o parto.

A inseminação artificial (IA) é uma biotécnica de fácil aplicação e a mais utilizada em todo o mundo para disseminar material genético superior nos rebanhos bovinos. Apesar de, no Brasil, essa biotecnologia ainda ser pouco empregada, o percentual de matrizes bovinas inseminadas aumentou consideravelmente de cerca de 5% em 2002 para 10% em 2012, chegando a 12% em 2015. Com a intensificação da IA, o País vem acelerando o avanço do melhoramento genético do rebanho pelo incremento do número de bezerros nascidos de touros geneticamente superiores.

Dentre as biotecnologias mais empregadas, a inseminação artificial em tempo fixo (IATF) merece destaque pela facilidade de manejo e por aumentar a eficiência reprodutiva e o ganho genético dos rebanhos. A IATF alcançou a marca de aproximadamente 10,5 milhões de procedimentos em 2015 (8,2 milhões em fêmeas de corte e 2,3 milhões em fêmeas de aptidão leiteira), que representa crescimento de 11,2% em relação ao ano anterior (Gráfico 1), segundo levantamento realizado com base no número de protocolos comercializados para IATF e o número de doses...

Para ler a matéria completa faça Login
Caso não seja assinante da Revista AG, clique Aqui e Assine Agora!