Do Pasto ao Prato

 

GENÉTICA: LEMBRE, PENSE E CUIDE DO BÁSICO

Fernando Velloso é médico-veterinário e sócio-proprietário da Assessoria Agropecuária FF Velloso & Dimas Rocha
– www.assessoriaagropecuaria.com.br –

A decisão da realização de um programa de inseminação e a escolha do touro são tarefas importantes para o pecuarista. Muitas vezes, critérios técnicos básicos são esquecidos pela opção de um reprodutor com uma boa foto ou de uma escolha apurada.

Tentarei, neste texto, revisar o básico em reprodução e genética, pensando que a ordem a seguir pode ser um guia rápido e simples para optar pelo touro A ou B, eventualmente até pela raça A ou B.

Emprenhar

A primeira e mais importante tarefa de um touro é gerar uma matriz prenhe.

A escolha de empresas de inseminação sérias e preocupadas com a fertilidade dos reprodutores e alta qualidade seminal é um bom começo para ter boa taxa de prenhez. As empresas líderes nesse setor e associadas da Asbia têm muito cuidado com toda partida de sêmen. Evite sêmen produzido fora das principais empresas, congelado de forma “caseira” ou de origem “discutível”.

Complementar a qualidade seminal, os protocolos de IATF (Inseminação Artificial a Tempo Fixo) ajudam a elevar a taxa de prenhez do rebanho, em função da indução hormonal da ciclicidade e dos benefícios indiretos do programa no manejo reprodutivo do rebanho.

Nascer

As perdas por problemas de parto (distocias) são muito caras e o melhor bezerro segue sendo o vivo.

A adequação das raças usadas é o primeiro item a ser cuidado. Na sequência, a atenção na escolha de touros para novilhas é o próximo ponto. Existem re...

Para ler a matéria completa faça Login
Caso não seja assinante da Revista AG, clique Aqui e Assine Agora!