Confinador

 

CONTRA AS MICOTOXINAS

A inclusão de adsorvente em dietas bovinas aumenta a rentabilidade das propriedades

Fernando Henrique Kamada*

A intensificação da produção de bovinos de corte ocorrida nos últimos anos, tanto a pasto quanto confinados, somente é possível por meio do fornecimento de grãos e/ou seus subprodutos. Outra mudança observada é o aumento no número dos confinamentos de animais mais jovens, o que acaba acarretando em um maior período de fornecimento de ração aos rebanhos. Com isso, expomos as criações a diversos riscos que podem comprometer o desempenho ou até mesmo causar a morte. Tratando-se de fatores nutricionais, destacamos os problemas causados pelas micotoxinas.

Essas substâncias tóxicas são produzidas por fungos que podem estar presentes em todos os processos de produção, desde o pasto ou lavoura até o armazenamento e processamento dos grãos. Possuem propriedades que afetam diretamente o desempenho dos animais, podendo interferir desde o consumo de matéria seca e até causar graves lesões em diversos órgãos do organismo, levando ao óbito.

Para combater os prejuízos causados pelas micotoxinas, há no mercado de nutrição animal aditivos capazes de neutralizar sua ação por mecanismos de adsorção. A utilização de adsorventes de micotoxinas para bovinos de corte é um assunto relativamente novo, porém, os resultados obtidos no campo chamam a atenção de técnicos e produtores.

Todos já ouvimos que os ruminantes são menos suscetíveis à contaminação por fungos e suas toxinas, pois as bactérias do rúmen podem degradar esses compostos. Isso em parte é verdade, porém, a eficiência da degradação dessas substâncias depende de vários fatores como: pH ruminal, categoria animal, grau de contaminação dos alimentos, tipo de micotoxinas, quantidade in...

Para ler a matéria completa faça Login
Caso não seja assinante da Revista AG, clique Aqui e Assine Agora!