Caprinovinocultura

Promissor dentro e fora do Brasil

Estudo aponta tendências para caprinocultura e ovinocultura nos cenários nacional e internacional

Adilson Nóbrega

Oportunidades para tornar os produtos nacionais mais competitivos no mercado externo e desafios para evitar a estagnação da produção em um cenário econômico de incertezas: essas são as principais perspectivas para a caprinocultura e ovinocultura no Brasil em 2016, segundo o estudo “Paranoma e perspectiva nacional da Ovinocultura e Caprinocultura”, conduzido pelos pesquisadores Klinger Magalhães, Espedito Cezário Martins, Juan Ferelli de Souza, Caroline Barbosa e Vinícius Guimarães, todos da equipe da Embrapa Caprinos e Ovinos (Sobral/CE), que também elaborou uma análise dessas cadeias no cenário internacional.

De acordo com o estudo, a recente desvalorização da moeda brasileira, pelo lado da oferta, pode reduzir o incentivo para investimentos e ao mesmo tempo dotar os produtos nacionais (leite, carne, pele, lã) de melhor competitividade no exterior, remunerando melhor os produtores que comercializem em uma moeda mais valorizada. Esse fator se soma a aspectos positivos como a evolução sistemática em genética, sanidade e nutrição, combinando em custos mais baixos de produção.

Esse cenário, porém, traz desafios a serem superados, entre eles uma importação mais cara de insumos e produtos, além de uma perspectiva de estagnação ou até mesmo queda em atividades como a produção de carne ovina no Brasil – que não acompanharia a tendência de crescimento do consumo da carne de cordeiro, no País e no exterior.

De acordo com os pesquisadores, outro fator a ser observado com atenção em 2016 é a previsão de ocorrência do fenômeno climático El Niño, já em curso, que pode determinar condições potencialmente desfavoráveis para as principais regiões produtoras. Um maior impacto pode ser observado no Nordeste, que concentra 91,6% do rebanho de caprinos e 57,5% do efetivo de ovinos em território nacional e já contabiliza o quarto ano consecutivo de seca – um ano adicional de chuvas abaixo da média pode agravar ainda mais as condições produtivas.

Como contraponto, a pesquisa ressalta, porém, que nos últimos três anos, apesar da seca, os rebanhos de caprinos e ovinos aumentaram no País. “A capacidade de resiliência dessas atividades em condições desafiantes, aliada à destreza de os produtores se adaptarem a uma nova realidade produtiva, é um dos fatores capazes de explicar esse aumento no efetivo do rebanho”, destaca o estudo.

A avaliação dos pesquisadores para 2016 é de um ano que requer cautela na condução de investimentos e acompanhamento das movimentações do cenário econômico nacional, considerando a possibilidade de que o período seja um panorama passageiro, para que se façam ajustes necessários. “Cabe aos agentes produtivos encontrar alternativas, com redução de custos e busca de novos nichos de mercado, aliando empreendedorismo, profissionalismo e inventividade”, afirma a equipe, no estudo.

Longo prazo

Na avaliação dos pesquisadores da Embrapa Caprinos e Ovinos, em um cenário de longo prazo, o aumento na produção e no consumo dos produtos dessas cadeias é algo que deve ocorrer no Brasil, seja por fatores como o crescimento natural da população e da renda, seja pela organização desses setores para expandir mercados, dado o potencial. Para isso, entretanto, gargalos como a questão da formalização do abate e a melhor inspeção sanitária dos produtos precisam ser superados.

Para os pesquisadores, o pequeno produtor de caprinos e ovinos, inclusive familiar, deve ser colocado como elemento essencial no direcionamento estratégico, dada a importância produtiva e social. “Isso também está relacionado com um aspecto dicotômico dessas cadeias, dado que os principais mercados desses produtos têm duas frentes bem definidas, de um lado o consumo de caráter regional e tradicional, associados a produtos menos elaborados e de baixo valor agregado, de outro, o consumo gourmet, em centros urbanos com maior poder de compra”, avalia o estudo, enfatizando que essas questões podem ser resolvidas pela percepção de que a organização do setor produtivo pode permitir maiores ganhos, atraindo investidores.

Rebanho no Brasil

O rebanho nacional de caprinos em 2014 alcançou 8.851.879 cabeças, sendo 8.109.672 na Região Nordeste (91,6%), enquanto o rebanho ovino registrou em 2014 o número de 17.614.454 cabeças no País, das quais 10.126.799 estão no Nordeste (57,5%) e 5.166.225 na Região Sul (29,3%). O País concentra hoje o 22º rebanho rebanho mundial de caprinos e o 18º maior rebanho de ovinos no planeta.

Em termos de tendência, nota-se uma diminuição do rebanho de caprinos no período de 2005 a 2014: analisando-se os últimos dez anos, percebe-se que o rebanho reduziu em aproximadamente 14%. Entretanto, a partir de 2012 o rebanho caprino vem mostrando uma recuperação de 2,4% no efetivo.

Já o rebanho ovino, apesar de ter também sofrido redução entre 2011 e 2012, apresenta uma tendência de crescimento do efetivo nos últimos dez anos. Para os pesquisadores, a menor concentração regional dos animais e a crescente demanda por produtos da ovinocultura nos últimos anos possivelmente são algumas das razões que dão suporte ao crescimento do rebanho no aís.

Tendências internacionais

Na avaliação dos pesquisadores da Embrapa Caprinos e Ovinos, algumas das perspectivas do cenário mundial para a produção de caprinos e ovinos são:

  • O diagnóstico da evolução da produção mundial de carne caprina em um período recente mostra que o comportamento do mercado dessa carne apresenta padrão de crescimento muito semelhante ao crescimento do rebanho caprino. Nos últimos 5 anos, a produção de carne caprina no mundo teve uma taxa de crescimento de 1,4% ao ano (ressalte-se que a taxa de evolução girou em torno de 1%). Portanto, assim como o rebanho, em 2016 prevalece uma tendência de baixo crescimento da produção mundial de carne caprina.

  • A análise da evolução da produção mundial de leite de cabra em um período recente mostra que o comportamento do mercado do leite apresenta padrão de crescimento muito semelhante ao do rebanho caprino. Nos últimos cinco anos, a produção de leite de cabra no mundo cresceu 1,6% ao ano (ressalta-se que a taxa de crescimento do rebanho girou em torno de 1%). Portanto, continua a tendência de baixo crescimento da produção mundial de leite de cabra.

  • A avaliação da evolução da produção mundial de leite de ovelha em um período recente mostra que o comportamento do mercado do leite apresenta padrão de crescimento muito semelhante ao do rebanho ovino. Nos últimos cinco anos, a produção de leite de ovelha no mundo progrediu 1,3% ao ano, enquanto que a taxa de crescimento do rebanho nesse mesmo período foi de 1,5% ao ano. Portanto, também teremos uma tendência de baixo crescimento da produção mundial de leite de ovelha.

Juan Ferelli é um dos pesquisadores que elaborou as tendências mundiais para o mercado de ovinos e caprinos

Possibilidades de ganho X Desvalorização cambial

A desvalorização cambial do Real traz, por um lado, o maior ganho com as exportações, mas, por outro, o encarecimento das importações, refletindo diretamente no preço dos insumos oriundos de outros países. Os ajustes necessários por parte do governo nos gastos públicos tendem, ainda, a reduzir o ritmo de consumo, repercutindo também em menor crédito disponível e com custo mais elevado. Deve- se, por esse motivo, buscar cautela na condução dos investimentos e acompanhar responsavelmente todos os movimentos da economia, considerando que seja um cenário passageiro, em que se farão os ajustes necessários. Cabe aos agentes produtivos encontrarem alternativas, como redução de custos e busca de novos e nichos de mercado, aliando empreendedorismo, profissionalismo e inventividade.