O Confinador

 

POP

A importância do controle do custo de produção com a utilização de “procedimentos operacionais padrão”

Augusto Hauber Gameiro* e Lucas Eduardo Zanoni**

O Brasil é um dos principais atores na atividade de bovinocultura de corte, possuindo 208 milhões de cabeças e está na segunda posição em termos de produção mundial de carne bovina.

Porém, o país enfrenta muitos desafios, sendo que um deles é a manutenção da competitividade. Essa pode ser definida como a capacidade de sobreviver e de crescer em mercados concorrentes ou em novos mercados.

Com isso, os sistemas produtivos tendem a se tornar mais complexos, com outra dinâmica produtiva, exigindo mais conhecimento técnico, informações e aplicação de tecnologias adequadas.

A rentabilidade da agropecuária vem sendo desafiada e, assim, há a necessidade da adoção de modelos administrativos que busquem maior controle da produção e de técnicas de gestão que possibilitem alcançar maior eficiência produtiva.

Define-se planejamento o desenvolvimento de processos, técnicas e atitudes administrativas que proporcionem um quadro de possibilidades para avaliação futura, tendendo a reduzir a incerteza no processo de decisão.

O controle de custos é a “soma dos valores de todos os insumos e serviços utilizados na produção agrícola em certo período de tempo”, mas infelizmente o custo de produção é uma informação desconhecida por muito produtores, sendo esse um ponto crítico importante, uma vez que essas informações são vitais para o processo de tomada de decisões.

O objetivo do levantamento de dados é a avaliação financeira e a determinação de lucros e prejuízos, diagnosticando a situação da empresa e embasando então o planejamento futuro.

A padronização das atividades de campo facilita a captação dos dados, uma vez que se forem repetidamente equivalentes, elas minimizarão os desvios de execução, refletindo de maneira mais confiável os dados captados no campo.

A figura ao lado ilustra um POP experimental utilizado no confinamento da Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia (FMVZ) do Campus de Pirassununga, sob administração do Laboratório de Produção de Gado de Corte (LPGC).

PDCA e POPs

O chamado Ciclo de Deming, ou Ciclo PDCA, é uma ferramenta de gestão difundida no meio empresarial ao redor do mundo, porém, ainda pouco conhecida e utilizada na agropecuária. Essa metodologia é utilizada para conduzir os processos a contínuas reavaliações e, consequentemente, à melhoria contínua. A figura 1 representa o Ciclo de Deming ou Ciclo PDCA.

POP possibilita comparar o retorno econômico entre um motorista que trabalha sozinho e outro acompanhado de auxiliar

Dentro do planejamento do ciclo PDCA, existem as metas a serem alcançadas e o plano para atingi-las. Faz parte do plano o uso do chamado Procedimento Operacional Padrão (POP).

Um POP é caracterizado por um conjunto de instruções escritas que registram todas as atividades rotineiras de um determinado setor ou atividade de uma organização, incluindo- se as fazendas.

O uso dos POPs é fundamental para sistemas que buscam permanentemente a qualidade de produtos ou serviços, pois fornece a informação necessária que garante a correta realização de um determinado trabalho, facilitando, assim, a consistência na qualidade e a integridade do produto esperado.

Portanto, um POP contém as instruções sequenciais detalhadas das operações e a frequência de execução, especificando o responsável pela execução, listagem dos equipamentos, peças e materiais utilizados na tarefa, descrição dos procedimentos da tarefa por atividades críticas, de operação e pontos proibidos de cada tarefa e roteiro de inspeção periódicas dos equipamentos de produção, entre outros.

Os POPs objetivam padronizar e minimizar a ocorrência de desvios na execução de tarefas fundamentais para o funcionamento correto da operação na fazenda. Um bom POP deve garantir a qualquer usuário, a qualquer momento, que as ações tomadas para garantir a qualidade sejam as mesmas, aumentando-se a previsibilidade de seus resultados, minimizando as variações causadas por imperícia e adaptações aleatórias, por exemplo.

Desenvolvimento

Os procedimentos operacionais padrão são, resumidamente, instruções detalhadas para auxiliar na realização de uma atividade qualquer, e assim sendo, devem ser escritos por uma pessoa que tenha pleno conhecimento do sistema em questão.

É valido exaltar que todos os sistemas possuem suas peculiaridades, e, com isso, os POPs de uma fazenda específica não devem ser diretamente transferidos para outra propriedade sem uma minuciosa revisão para correções ou adições de etapas.

Inicialmente, recomenda-se listar as principais atividades que o sistema possui. A lista a seguir traz alguns exemplos de atividades rotineiras de um confinamento:

1. arraçoamento;
2. preparo de concentrado;
3. ensilagem;
4. limpeza de resíduos; e
5. abastecimento de maquinário.

As atividades do sistema devem ser listadas de acordo com o julgamento de sua importância. Por exemplo, o arraçoamento dos animais é muito frequente e impacta diretamente no desempenho. Assim, o impacto dessa atividade no gerenciamento é maior do que o impacto da atividade de limpeza de resíduos, por exemplo.

Com a lista completa, o responsável deve iniciar a redação dos documentos. Alguns pontos precisam ser destacados em relação a essa etapa: 1) os POPs devem ser identificados de forma clara e evidente para que, com um breve olhar, o usuário já consiga perceber qual o procedimento em questão; 2) descrição das etapas com linguagem direta e de fácil entendimento, podendo utilizar-se de termos pouco formais utilizados no campo; 3) fornecer o contato telefônico do responsável para facilitar a comunicação entre o usuário e o responsável.

Pontos importantes

Os POPs devem permanecer em locais de fácil acesso. Os POPs relacionados a atividades que utilizam maquinário muitas vezes permitem que esse documento permaneça junto à própria máquina.

É muito importante que os usuários dos POPs entendam e compreendam a função desses documentos, e que então eles sigam as instruções contidas nos mesmos. Para isso, é recomendável que haja uma explicação mais técnica do papel dos POPs no contexto econômico e gerencial do sistema, facilitando então o entendimento por parte dos funcionários.

Seguir as instruções contidas nos POPs faz com que as atividades tenham padrão de execução, possibilita melhores coletas de dados no campo e gera maior previsibilidade de gastos, facilitando o processo de gestão.

Eficiência do sistema

Um quadro de repetições regulares permite partir para o próximo passo. Nessa etapa, a dedicação é direcionada para a busca de melhores índices operacionais, tais como hora/ máquina/dia gastos, por exemplo.

Essa etapa inclui a identificação dos pontos críticos da atividade e a avaliação da possibilidade de aprimoramento.

Um exemplo: em um confinamento de 500 animais, é mais eficiente um motorista responsável apenas por dirigir acompanhado de um auxiliar para demais atividades ou um motorista que é responsável por dirigir e também desempenha outras atividades? Vejamos na tabela acima.

A primeira impressão é de que a adição de um funcionário acarreta em um aumento do custo da atividade. Porém, isso não deve ser tomado como verdade absoluta, uma vez que a eficiência da realização da tarefa pode melhorar com redução do tempo total gasto.

Em resumo, os POPs vão padronizar a realização das atividades e melhorar a qualidade dos dados captados no campo, criando base para análise dos índices dessas atividades, que devem, então, passar a ser criticados, ou seja: “será possível realizar essa mesma tarefa com menor dispêndio de recursos?” ou ainda “será possível arraçoar os animais obtendo menores índices de perda de volumoso?”.

Portanto, POPs são ferramentas de padronização, profissionalização, organização e otimização das propriedades. Podem ser uma importante estratégia para aumentar a eficiência da pecuária.

*Augusto Gameiro é professor do Departamento de Nutrição e Produção Animal da Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia da Universidade de São Paulo. **Lucas Zanoni é graduando em Zootecnia pela Faculdade de Zootecnia e Engenharia de Alimentos da Universidade de São Paulo. Consulte bibliografia com os autores.


PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO

Laboratório de Produção de Gado de Corte
Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia
POP n°: 6.
Data de introdução: __/__/____

Título: Aplicação de ureia.
Aplicação: Após a saída dos animais do piquete.
Local da aplicação: Piquetes do LPGC.
Responsável: Pós-graduandos.
Propósito: Aplicar fertilizantes nitrogenados nas pastagens.

– OBJETIVO: Aplicar os fertilizantes nitrogenados (ureia, sulfato de amônio, etc.) da maneira mais apropriada.

– INSTRUÇÕES:
Equipamentos necessários:
• Balde
• Saco de estopa
• Lona plástica
• Luva para manusear adubo
• Faca para corte do saco de adubo
• Balança

Procedimentos
? Preencher o horário de início do trabalho na planilha “aplicação de fertilizantes”, localizada no corredor central do confinamento.
? Informar-se com o responsável qual o pasto que será adubado, qual será o fertilizante utilizado e onde os fertilizantes se encontram.
? Caso o fertilizante seja transportado com o trator, anotar na planilha “Aplicação de ureia” a hora atual do horímetro do trator.
? Com o auxílio de um carrinho de mão ou de um trator, transportar a quantidade de fertilizante que será utilizada até o piquete que será adubado.
? Antes da abertura dos sacos de fertilizante, certificar-se de que uma lona plástica esteja disposta no chão e que as sacarias estejam em cima da lona para evitar possíveis perdas de fertilizante no momento do abastecimento dos baldes.
? Encher o balde ou outro equipamento que será utilizado para espalhar o fertilizante.
? Espalhar a ureia manualmente a lanço, de acordo com a dose recomendada pelo responsável pelo experimento corrente.
? Após a aplicação da ureia, juntar todas as sacarias utilizadas para evitar que fiquem espalhadas pelas áreas de pastagem.
? Retornar com os equipamentos e também com as sacarias vazias para as instalações do confinamento.
? Preencher na coluna “hora final” da planilha “aplicação de fertilizantes” o horário de término da mão de obra gasta na aplicação e preencher com os dados do horímetro do trator a coluna “Horímetro - Chegada”.

– RECOMENDAÇÕES:
? Para aplicação de adubos nitrogenados, recomenda-se fortemente não aplicar esse tipo de fertilizantes sem umidade no solo ou sem previsão de chuva para as próximas horas.
? A adubação deve ocorrer quando o solo estiver seco e com previsão de chuvas nos próximos dias ou quando houver boas possibilidades de chuva logo após sua aplicação.

Cuidados: Sem observações. Restrições: Sem observações.
Elaborado por: Lucas Zanoni. Revisado por: Mateus Frasseto


Warning: getimagesize(/revistas/ag/imagens/id_383/o+confinador_2.jpg) [function.getimagesize]: failed to open stream: No such file or directory in /home/storage/a/fb/47/edcentaurus/public_html/edcentaurus/application/controllers/AgController.php on line 439