Notícias do Charolês

ABCC LANÇA CADASTRO DE PRODUTORES DE GADO CRUZADO

A intensa procura por animais cruzados com Charolês levou a diretoria da Associação Brasileira de Criadores de Charolês a criar um cadastro de produtores de gado cruzado que utilizem a genética da raça. Os interessados podem entrar em contato pelo telefone (51) 3458-3919 ou pelo e-mail charoles@charoles.org. br, fornecendo os seus dados (nome, estabelecimento, município, estado, fone e e-mail), que serão repassados às empresas que nos consultarem em busca desse tipo de animal.

Nos últimos meses, as consultas têm sido constantes e a justificativa dos clientes é que o animal cruzado com Charolês apresenta maior ganho de peso e maior rendimento de carcaça, sendo a raça que estatisticamente melhor responde nos confinamentos. Isso apenas confirma o que os usuários já sabiam e o que também está sendo comprovado através de trabalhos científicos realizados no Brasil e em outros países.

Segundo Wilson Borges, presidente da ABCC, “o Charolês já predominou nos campos da Região Sul, chegando a branquear a paisagem. Hoje em dia, as raças britânicas e suas sintéticas avançaram muito, abocanhando uma grande parcela do mercado, graças às suas inegáveis qualidades, porém, à medida que o grau de sangue de Charolês foi diminuindo, foram-se perdendo algumas vantagens. No ano passado, durante a Expointer, Wilson Borges esteve em uma palestra de Miguel Cavalcanti, do BeefPoint, para o Marfrig, na qual foi largamente alardeada a qualidade de carne diferencial das raças britânicas no Rio Grande do Sul. Porém, no final, um destacado dirigente da Federação da Agricultura do Estado do Rio Grande do Sul (Farsul), pediu a palavra e disse que as raças britânicas estavam indo muito bem, “mas precisamos aumentar o peso de carcaça, sem aumentar a idade de abate, nem perder a qualidade de carne. E quem seria capaz de realizar essa ‘mágica’? As raças continentais, em especial o Charolês. Se por um lado as raças britânicas gozam de excelente conceito com relação à qualidade de carne, o Charolês é sinônimo de peso e rendimento de carcaça no mundo inteiro.”

“Por outro lado, li recentemente uma matéria sobre o ‘Nelore do Futuro’. Na matéria, eram apresentadas algumas das metas dessa seleção, que eram peso à desmama de 210 kg, peso ao sobreano de 300 kg, idade ao abate de dois anos e peso de carcaça de 18 a 19@. Todas essas metas podem ser facilmente atingidas no cruzamento industrial com o Charolês. Então, porque não utilizar já agora o Charolês e ter no ano que vem o nascimento dos animais desejados, ao invés de aguardar algumas gerações de seleção desse fantástico zebuíno, que é o Nelore? Além disso, o tipo de seleção necessário para se obter as metas descritas anteriormente também vai gerar fêmeas mais exigentes e menos eficientes. A fêmea zebuína, e a Nelore em especial, dominou a pecuária nacional, como é dito nesta matéria, por ser ‘imbatível na produção de bezerros’ nas condições encontradas na maior extensão do território nacional. Pelo exposto, nos parece mais lógico manter a fêmea zebuína e cruzar com Charolês para encurtar o caminho para atingir os resultados ambicionados”, conclui o presidente da ABCC.

Para os interessados em produzir esses animais apontados pelo mercado, existem várias oportunidades para a aquisição de reprodutores. A seguir, listamos alguns dos mais importantes leilões neste segundo semestre:

• 04/07 : XI LEILÃO CHAROLÊS DO CONTESTADO - Água Doce/SC

• 18/07 : XIII LEILÃO SANTA TECLA - Abelardo Luz/SC

• 01/08 : 6º LEILÃO FAZENDA VOLTA GRANDE E CONVIDADOS - Henrique Rumpf - Água Doce/SC

• 01/08 : 4º LEILÃO CABANHA FONSECA – Caçador/SC

• 14/10 : LEILÃO DA ESTÂNCIA SÁ BRITO – Alegrete/RS