Notícias do Charolês

 

CHAROLÊS: O CAMPEÃO DAS CARCAÇAS NO URUGUAI

Como já se tornou rotina nos últimos anos, o Charolês arrebatou o prêmio máximo no concurso de carcaças da Cota 481 (HQB – High Quality Beef), no Uruguai.

A Cota 481 é a mais importante, qualificada e exigente cota de exportação do Uruguai, remunerando melhor o produtor. Esse concurso é realizado anualmente, sendo que, neste ano, teve lugar no tradicional Frigorífico Carrasco.

O engenheiro agrícola Ricardo Reilly, presidente da Associação Rural Uruguaia (ARU) destacou que o concurso tem muita história, quase um século. Visto que agora passou a ser realizado na entrada da primavera, ele incorporou definitivamente uma modalidade específica para a Cota 481. Segundo ele, “serve para mostrar a evolução da pecuária, da produção de carne. O concurso mostra a evolução nas distintas raças, nos animais, a inovação tecnológica na genética, o desenvolvimento, o aumento de valor agregado e que há processos de engorda eficientes em menor tempo, com incrementos notórios de produtividade”. Todavia, comentou que este “não é o universo da realidade da produção uruguaia, temos de ser realistas, mas estamos vendo até onde se pode chegar”.

O abate e os julgamentos de classificação realizaram- -se na planta industrial do Frigorífico Carrasco (da Minerva Foods), no dia 15 de novembro passado. Ali os jurados das reses bovinas foram Fernando Rovira Castro, representando o Instituto Nacional de Carnes (Inac) e Gustavo Brito, do Instituto Nacional de Investigación Agropecuaria (Inia).

Castro ressaltou que, em geral, a mostra foi muito interessante e indicou que os animais da Cota 481 destacaram- -se. Ressaltou que o novilho ganhador sobressaiu-se no processo tecnológico em nível de abate e desossa, com uma relação dianteiro/traseiro muito positiva a favor do segundo, onde estão as carnes de maior valor comercial e um jogo de cortes que integram o Rump & Loin, que marcam a qualidade dos cortes mais caros do mercado.

“São animais com bons calibres nos cortes, o que significa que podem ingressar em todos os mercados. Também com bons jogos de seis cortes do traseiro e um rendimento carniceiro muito bom, o que está referido à quantidade de carne que sai da carcaça. Esses são os elementos que fizeram com que a rês vencedora, uma cruza Charolês com Hereford, fosse distinguida no Concurso HQB”, acrescentou.

A Melhor Rês do Concurso HQB foi um novilho cruza Charolês com Hereford, exposto por Juan de Boismenú, que teve um rendimento de 63,1%, em quarta balança. Essa carcaça também obteve os prêmios de Melhor Rês Cruza Charolês e Rês de Maior Valor Industrial.

Boismenú comentou que o prêmio é o reconhecimento ao esforço genético para obter esse tipo de novilhos jovens com 360 a 370 quilos de carcaça. Disse que é uma satisfação ter promovido durante muitos anos o efeito do cruzamento com Charolês, raça com a qual “temos trabalhado durante muitos anos com a família”, diz. Conclui que os mercados esta~o exigindo reses cada vez mais pesadas, com rendimentos de carcac¸a cada vez maiores, e, nesse sentido, “temos visto que o Charolês está nos aportando uma boa ajuda nesta direção”.

Por sua vez, a entidade La Sociedad de Criadores de Charolais do Uruguai ressaltou que “3 de 3 no es casualidad”, em alusão aos títulos conquistados em 2012, 2013 e 2014.

Resultados do Post Mortem HQB - Cota 481
- Premiações obtidas pelo Charolês no concurso geral
Melhor Rês do Concurso: Juan Boismenú
Rês de Maior Valor Industrial: Juan Boismenú Melhor Rês de Novilho: Juan Boismenú

- Premiações na Raça Charolês
Melhor Rês Charolês: José Jorge de Boismenú
Melhor Rês Cruza Charolês: Juan Boismenú